A Gravidez parte I – Tentando engravidar

Bom, o nosso Tema do Mês é gravidez, até para vocês nos conhecerem um pouco melhor. Como tenho MUITO a dizer sobre o assunto resolvi dividir em partes, até pra não ficar um post GIGANTESCO. A minha gravidez foi MEGA planejada, desejada, esperada e o Luiz Gustavo já “existia” desde o começo do namoro. Não foi TÃO fácil a princípio, mas aconteceu e foi uma felicidade só.

“Bora” falar sobre o período pré-gravidez? Assim, quem sabe, também algumas mulheres se identificam com a minha história.

O que você vai:

Sentir – Ansiedade!

Ninguém costuma falar, mas essa fase pré gravidez é uma “coisa” ! É uma ansiedade só a ponto de você ficar possessa quando vem a menstruação. Capaz também que você compre 1 teste de gravidez por mês, basta a menstruação atrasar UM dia. Também é uma fase engraçada: é tipo a teoria do carro vermelho. Você nem imagina que existem tantos até começar a prestar atenção. Então, nesse caso parece que TODO O MUNDO começa a engravidar, até gente que nem pensava nisso tá lá, “embuchada”, menos você.

Não cheguei a entrar na dedicação total usando aqueles medidores de ovulação e ficando com as pernas pra cima após o “ato”, nem nada do tipo. Deixei rolar.

Fazer – Hummm, meio óbvio, não?

Na verdade ao citar que quer engravidar o médico já vai pedir um bateria de exames para checar se as vacinas estão em dia, HIV, tipo sanguíneo e etc. Os médicos costumam dar 1 ano para mulheres com menos de 30 anos e 6 meses para mulheres com mais de 30 até engravidar. Depois, provável que te peçam alguns exames como curva de ovulação, ultrassom, exame de sangue para ver se há alguma condição auto-imune, raio X do útero e por aí vai, até descobrir se existe ou não algo que esteja impedindo a gravidez. Para o homem, até onde eu sei, só existe o espermograma. Eu demorei quase 1 ano, cheguei a fazer o exame de curva de ovulação (bem chatinho porque você tem que ir ao laboratório várias vezes colher sangue) e não tinha nada. Aí engravidei. Não sei se é me abrir demais, mas enfim, foda-se, quero mais que as pessoas se identifiquem e talvez achem algum conforto: engravidei em maio de 2012, perdi (tive aquela gestação anembrionária, no primeiro ultrassom não havia batimento), fiz curetagem, sofri, fiz outra bateria de exames bem chatinhos, tive uma suspeita (não confirmada) de útero unicorno, sofri, e antes que pudesse ser “liberada” para tentar novamente, já estava grávida, em setembro.

Ouvir – “Desencana que vem”

Uma merda falar pros outros que você está tentando engravidar, porque se você demora um pouco, já começam os olhares de “ihhhh…” (ou começa a nóia da sua cabeça) ou então o comentário do “desencana que vem”. Eu super ENTENDO o conceito do desencana, mas acontece que DESENCANAR é algo que acontece tão naturalmente quanto a gravidez. Ficar tentado “desencanar” é tipo aquela sensação que você PRECISA dormir porque tem que acordar cedo e justamente por isso não consegue pegar no sono.

Não achava que estava grávida, até que um belo dia, 1 dia atrasada, passei na farmácia para comprar shampoo e comprei um teste. Deu positivo, fiz meu marido comprar mais 3 e no dia seguinte fui fazer o exame de sangue. Tudo positivo e aí nós vamos para o assunto do próximo post, o primeiro trimestre!

Até!

Imagem

Anúncios

Um comentário sobre “A Gravidez parte I – Tentando engravidar

  1. Pingback: A Gravidez Parte II – O 1º Trimestre | Colcha de Retalhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s